09/10/20236 min

Saúde

Seguro de vida cobre Parkinson? Descubra!

Seguro de vida para quem tem Parkinson: tire agora mesmo todas as suas dúvidas sobre o tema!

Seguro de vida cobre Parkinson mag

Muita gente não sabe, mas existem proteções financeiras que ajudam e muito quando se descobre uma enfermidade. Afinal, o seguro de vida cobre Parkinson e outras doenças graves.

Esse tipo de seguro é pago quando a pessoa recebe o diagnóstico da doença. Nesse momento delicado, o suporte financeiro ajuda a cuidar da saúde, colocar as contas em dia, entre outras possibilidades.

Basicamente, o seguro que cobre Parkinson se enquadra na categoria de doenças graves. Logo, não é preciso que o titular venha a óbito para o recebimento da indenização, já que essa doença específica tem um grande potencial de incapacitar os indivíduos em relação ao trabalho.

Mas quais são as condições e coberturas do seguro de vida para Parkinson? Neste artigo completo, vamos tirar suas dúvidas sobre o tema, mostrando possíveis cenários em que a doença dificulta ou até impede alguém de exercer suas atividades do cotidiano. Confira!

Como funciona o seguro de vida com cobertura em vida?

Quando a pessoa é diagnosticada com doenças graves como o mal de Parkinson, é possível ser coberta sem a necessidade de falecimento do titular.

Vale lembrar que, mesmo se a pessoa tiver um plano de saúde, alguns procedimentos, terapias e medicamentos podem não ser cobertos.

Logo, por meio de um seguro, é possível ter um suporte financeiro para usar como quiser. Assim, é possível aumentar a qualidade de vida de quem sofre de Parkinson.

Portanto, o titular pode ter uma carga financeira menor, desembolsando menos dinheiro em relação aos procedimentos médicos relacionados à doença.

De que forma o Parkinson afeta a qualidade de vida?

Uma situação que acontece com quem tem a doença é uma possível dificuldade em falar e se comunicar.

Por mais que hoje existam várias ferramentas de acessibilidade para contornar esse tipo de problema, querendo ou não, a sua capacidade diminui. Veja, a seguir, outras limitações da condição na vida das pessoas.

Dificuldade de trabalhar

Se a pessoa, por causa do Parkinson, tiver dificuldades de trabalhar ou até ficar incapacitada?

Na prática, o indivíduo com essa condição costuma ter dificuldades motoras, visto que a doença pode causar rigidez muscular e dificuldade de concentração.

Por mais que a pessoa trabalhe sentada em frente ao computador, por exemplo, isso já é o suficiente para afetar sua produtividade.

Para atividades laborais que requerem coordenação motora, quem tem mal de Parkinson também pode ter prejuízos.

Uma pessoa que monta peças ou faz trabalhos manuais detalhados, por exemplo, tende a apresentar uma certa incapacidade no trabalho. Ou, em casos mais severos, a invalidez.

Além disso, quem tem a doença de Parkinson também está propenso a sentir fadiga e energia limitada. No âmbito do trabalho, esse fator é muito prejudicial porque a pessoa não consegue manter seu ritmo de produtividade por um longo tempo.

Seguro de vida cobre Parkinson mag

Demais problemas decorrentes do Parkinson

Infelizmente, ainda não acabou. Existem outros problemas que podem afetar o trabalho e a qualidade de vida de quem tem mal de Parkinson. São eles:

  • problemas cognitivos, envolvendo dificuldade de concentração e raciocínio lento. Isso afeta quem realiza atividades complexas ou precisa tomar decisões rápidas, por exemplo;
  • comprometimento da mobilidade, já que, à medida que a doença avança, o indivíduo pode ter limitações de locomoção, como andar e subir escadas;
  • cuidados médicos frequentes, o que pode afetar a assiduidade no trabalho da pessoa que tem Parkinson.

O que é o seguro de vida que cobre Parkinson?

A MAG Seguros tem produtos voltados para pessoas que querem se prevenir contra o diagnóstico de doenças graves, inclusive o seguro cobre Parkinson. Procuramos inovar em termos de personalização, dando assistência para pessoas que antes não tinham acesso fácil a esse tipo de seguro.

O mais interessante é que a opção do Doenças Graves Master. Ele é voltado para quem tem uma idade de ingresso a partir de 66 anos.

Afinal, essa é uma fase da vida em que o Parkinson e outras condições de saúde costumam acometer as pessoas.

A idade de exclusão do seguro também é estendida em comparação com outras coberturas, indo até os 85 anos. Além do Parkinson, outras doenças incluídas na cobertura Master da MAG são:

  • Alzheimer;
  • câncer;
  • insuficiência renal crônica;
  • AVC;
  • infarto.

Nesse sentido, a cobertura é paga após o segurado comprovar o diagnóstico da doença. O dinheiro pode ser usado, por exemplo, na cobertura de despesas médicas e sustento da família.

Sobre o Imposto de Renda, as contribuições não podem ser deduzidas da base de cálculo, mas o valor da indenização é isento.

Como contratar o seguro ideal?

O mercado de seguros é bastante amplo, mas isso não significa que todas as empresas oferecem os melhores produtos, de acordo com o bolso dos contratantes. Por isso, a melhor alternativa é procurar aquela seguradora que tem uma boa aceitação pela maioria das pessoas, além de uma vasta experiência no mercado.

Tão importante quanto a seguradora é entender com profundidade porque você precisa dela. Nesse sentido, é preciso saber, por exemplo, se todas as despesas médicas e procedimentos de quem tem mal de Parkinson são cobertas pelo plano de saúde.

Se não forem, é bastante recomendado buscar uma cobertura complementar, principalmente considerando que o tempo passa e as doenças começam a aparecer com mais frequência.

Como vimos até aqui, o seguro de vida que cobre Parkinson está na categoria de doenças graves. Por causar várias dificuldades motoras e até cognitivas, essa condição de saúde permite ao titular receber a indenização ainda em vida, visando o custeio de despesas médicas e o aumento da qualidade de vida.

Gostou do conteúdo? Aproveite a visita ao blog e faça agora mesmo a simulação do seu seguro!

Gostou do conteúdo? Compartilhe: